quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Fundos de Pensão: entre riscos e virtudes. Artigo assinado pelo presidente da Anapar


As entidades de previdência complementar do Brasil passaram a ser foco das discussões do momento. O senso comum, alimentado por setores da imprensa que não se preocupam em apurar a verdade dos fatos, enxerga o resultado atual dos fundos de pensão como se estivesse próximo a uma bancarrota do sistema. É importante ressaltar que por trás de cada número há um histórico que não pode ser desconsiderado, por mais distorcida que seja a visão do analista.

Primeiro, é preciso considerar que os déficits ou superávits têm correlação direta com a estrutura de sustentabilidade do plano que se está analisando.

Fundos de Pensão: State Grid fecha compra do controle da CPFL em que 4 fundos de pensão participam, inclusive Sistel


Aprovada a venda do bloco de controle da CPFL Energia para a chinesa State Grid, o próximo passo será a realização de uma oferta pública de aquisição de ações (OPA) dos minoritários, também por R$ 25 por ação. A operação, porém, dificilmente acontecerá ainda em 2016. 
A expectativa no mercado, segundo o Valor apurou, é que a OPA tenha forte aceitação dos minoritários, resultando no eventual fechamento de capital da CPFL. A elétrica, que se destaca como a maior companhia integrada privada de energia do país, é uma das preferidas dos investidores dentro do setor elétrico. 

INSS: Proposta de reforma da Previdência vai cortar pensões.


Ideia é desvincular benefício do salário mínimo. Novos pensionistas terão valor reduzido
    
A proposta de reforma da Previdência, elaborada pelo grupo técnico do governo e encaminhada ao presidente Michel Temer, atinge em cheio os pensionistas. A ideia é desvincular o benefício de quem ganha um salário mínimo, atrelado atualmente ao reajuste do piso, que passaria a ser corrigido apenas pela inflação. Além disso, o valor da pensão deixará de ser integral, sendo reduzido à metade, acrescido de 10% por dependente. A nova regra valerá para os setores público e privado.

TIC: Mediação entre Oi e Anatel não é consenso


Embora tenha chances reais de ser deferido, o requerimento da Oi à Justiça solicitando a instauração de um processo de mediação com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) é visto com ressalvas por uma fonte que acompanha este aspecto do processo de recuperação judicial da operadora.

TIC: Sócio é contra fatiar negócios da Oi


A chegada do Société Mondiale, fundo do polêmico empresário Nelson Tanure, ao conselho de administração da Oi deve dividir o colegiado, formado por 11 membros. 

O Valor apurou que a intenção é apresentar ao conselho, dentro de até sessenta dias, uma atualização do plano de recuperação judicial registrado pela operadora. Uma atualização que, na prática, pretende ser uma mudança completa das diretrizes que orientam o modelo que a tele levou à 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro.

Fonte: Valor (28/09/2016)

INSS: Previdência pode ter "gatilho" para idade mínima


A proposta de reforma da Previdência que o presidente Michel Temer tem em mãos prevê o aumento da idade mínima para além dos 65 anos fixados inicialmente. O texto, elaborado pela equipe técnica do governo, propõe um gatilho que permitirá aumentar o piso da idade à medida que também subir o tempo médio de sobrevida (a quantidade de anos de vida depois da aposentadoria). A "calibragem" evitaria a necessidade de discutir novos projetos de reforma previdenciária acompanhando o envelhecimento da população. Caberá a Temer a decisão de deixar ou retirar esse dispositivo.

Fundos de Pensão: Desempenho de fundos do Brasil está acima dos americanos e ingleses


A solvência dos fundos de pensão brasileiros piorou nos últimos anos, mas é melhor que a de países como o Canadá e os Estados Unidos. 

O indicador é o quociente resultante do total dos ativos dividido pela projeção dos pagamentos que o fundo fará aos pensionistas -essas prestações são trazidas a valor presente para o cálculo. 
Na média, a solvência dos brasileiros é de 87. Nos EUA e na Inglaterra, é de 81.

Fundos de Pensão: Comitê estratégico e revisão da Resolução nº 3.792 trazem novidades na supervisão de fundos de pensão


O sistema de previdência complementar fechado ganhará uma nova instância de supervisão, com  foco na visão prudencial, o Comitê Estratégico de Supervisão, vinculado à Central de Inteligência da Previc. A primeira reunião do novo comitê deverá ocorrer no início de novembro, segundo explica o diretor de Assuntos Atuariais, Contábeis e Econômicos da Previc, Fabio de Sousa Coelho. "O objetivo é ter um órgão que possa avaliar os riscos do sistema, inspirado no modelo utilizado pelo Comitê de Estabilidade Financeira do Banco Central, dentro de uma diretriz de supervisão prudencial", explica Coelho.